Rio de Janeiro

Piezas encontradas en un vertedero dan cuenta de las costumbres de la elite del siglo XIX de Brasil

1Una vasija de cerámica

La ampliación del metro de Río de Janeiro ha revelado un vertedero del siglo XIX con cientos de miles de piezas que arrojan luz sobre las costumbres de la elite de la época de la independencia de Brasil.

Los arqueólogos catalogaron cerca de 200.000 objetos en buen estado de conservación en seis meses de trabajo y creen que podrán recuperar hasta un millón de piezas, en el que podría ser uno de los mayores hallazgos arqueológicos de Brasil, según dijo el responsable de las excavaciones, Cláudio Prado de Mello.

En el acervo de piezas encontradas figuran restos de cosméticos franceses, agua mineral importada de Inglaterra y un frasco de colonia.

2Botella encontrada en este vertedero

También hay platos y vasijas de cerámica, botellas de licores y agua, pipas con restos de tabaco, potes de porcelana con ungüentos y frascos con líquido en su interior, que podrían ser productos medicinales, según los arqueólogos.

“Los frascos de perfume tenían una estética propia, con figuras y animaciones. Estos son más simples, lo que remite a productos de herbolario o de farmacia”, explicó Mello, aunque la solución al enigma solo se resolverá con la ayuda de análisis de laboratorio.

3Una de las piezas de cerámica encontradas en el lugar

Uno de los objetos más “importantes” hallados en el antiguo vertedero es un cepillo de dientes con mango de marfil, ya sin cerdas, con una inscripción en francés que dice “Su majestad el emperador de Brasil”, lo que en opinión de Mello indica que perteneció a Pedro II o a algún miembro de la familia real “muy próximo a él”.

También se encontraron algunos artículos más recientes, de inicios del siglo XX, como una botella de brandy con forma de torero, cuya etiqueta intacta muestra que fue embotellada en la ciudad española de El Masnou (Barcelona).

Las excavaciones más profundas llevaron a encontrar objetos de hasta el siglo XVII, entre ellos, algunos de manufactura indígena, como un raspador de sílex y una pipa hecha con un cuerno, que contrasta con otras pipas muy diferentes que pertenecieron o a los colonizadores europeos o a los esclavos africanos.

Los objetos encontrados son “básicamente basura”, aunque tienen “una dimensión arqueológica muy grande” porque revelan detalles mundanos que se desconocían hasta ahora, que permitirán estudiar aspectos como la tecnología de la época o hasta las relaciones comerciales, según Mello.

4Cepillo de marfil

“En aquella época no existía un sistema de recogida de basura. Las personas la enterraban en sus patios o pagaban a un esclavo para llevarla a algún lugar. Esta era un área anegable y la Alcaldía tenía interés en aterrarla, por eso la gente arrojaba materiales aquí”, relató el arqueólogo.

El antiguo vertedero quedó enterrado también bajo escombros de viviendas y de cerros que fueron arrasados con motivo de los planes de urbanización acometidos entre 1870 y 1920 en la entonces capital brasileña, conocidos por los historiadores como “la era de las demoliciones”.

5Pipas encontradas en la zona

El terreno, a pesar de estar en pleno centro de Río, por suerte quedó baldío, primero al quedar junto al ferrocarril, a las puertas de la estación de tren de Leopoldina, hoy abandonada, y después, al ubicarse bajo el trazado de una carretera elevada sobre un viaducto.

Los arqueólogos hicieron el descubrimiento a comienzos de este año, cuando se iniciaron en el lugar unas obras relacionadas con la expansión del metro.

Debido a esas obras, que se alargarán hasta el 2016, los arqueólogos han tenido que interrumpir las excavaciones y tendrán que esperar tres años para volver a abrir las zanjas.

Entonces proseguirán con los trabajos para recuperar la “basura” de los herederos de la Casa de Braganza, la dinastía portuguesa, en los años que hicieron de Brasil un Imperio, quienes no se imaginaban el valor que tendrían sus desechos.

 

Fuente: La Tercera

Autora erótica Sylvia Day arrebata público feminino na Bienal

Cerca de 400 mulheres, entre as quais mal se via meia dúzia de homens, receberam de pé e aos gritos, na tarde de sábado (7), Sylvia Day, 40, autora da série erótica “Crossfire” (lançada pela Companhia das Letras, com os títulos Toda Sua, Profundamente Sua e Para Sempre Sua), atração do penúltimo dia da Bienal do Livro Rio.

13251150A escritora erótica Sylvia Day

Com o cabelo batendo na altura da cintura, a americana apareceu usando um vestidinho preto justo com um gigantesco decote, botas de couro pretas de cano alto e colar de pérolas. “Soube que vocês esperaram muito tempo na fila e agradeço por isso”, disse.

Dado o frisson, a mediadora Claudia Chaves deduziu que todo mundo ali teria perguntas a fazer à escritora e passou a chamar números das cadeiras aleatoriamente, como se fosse um bingo, para dar voz às suas ocupantes (apenas uma das mais de 15 selecionadas não tinha nada a declarar).

“Não dou spoilers. Vou escrevendo e me surpreendendo com as ideias que tenho”, respondeu Sylvia Day logo na primeira questão, sobre o quarto livro da série “Crossfire“, ainda inédito em inglês. “Queria saber quando vai sair. A distância entre um livro e outro é absurda, a gente termina um e fica meses esperando, é enlouquecedor. E não aparece nada na internet!”, reclamou outra fã.

Com 500 mil livros vendidos no Brasil, a escritora se dedica há dez anos ao gênero erótico, embora só tenha ficado famosa por aqui após o sucesso da série “Cinquenta Tons”, de E.L. James.

“Não posso me imaginar escrevendo outra coisa. Não consigo imaginar deixar de lado as histórias romântica, e é bom ter sexo numa relação, tem que ter muito. Para mim isso faz parte da história de amor”, disse.

No geral, sem direito a perguntar sobre continuações das histórias, as fãs fizeram questionamentos sobre detalhes das personalidades do casal protagonista de “Crossfire”. “Não, meu deus, não, Gideon não é gay”, respondeu a escritora a uma fã preocupada com o histórico do personagem.

Outras preferiram tirar dúvidas mais pessoais, como se as cenas picantes dos livros têm inspiração na vida real (“Posso dizer que quando era mais nova tive sorte de encontrar homens que gostavam da coisa”) e se a autora viveu uma história marcante como a de Eva e Gideon (“Jã tive uma paixão dessas, foi louco e adorável”).

 

Fonte: Folha de S. Paulo

Confederations Cup 2013: Brazil win will bring World Cup belief

SELECAO2 RJ 31/7/2001 ESPORTES OE JT SELECAO/CONVOCACAO   O TECNICO DA SELECAO BRASILEIRA

Brazil have not lost a competitive match on home soil since a defeat to Peru in 1975. Brazil coach Scolari said that record and the belief and support of the fans meant Spain are not automatic favourites at the Estádio Maracanã.

“Victory will send a message that Brazil are on the right road to win the World Cup,” he said. “Even if we don’t win but play well and show we are in good shape, it will also send a message.

“I do not consider Spain strong favourites. In the past six years, they have won two European Championships and a World Cup.”

“Spain are spectacular – but like any team they have their faults. They have played with a settled team and that is an advantage. But with strength and spirit we can match them and even go beyond them.”

Scolari spoke of the need for his team to win over any remaining doubters in Brazil, having been at the centre of so much criticism in the weeks before the Confederations Cup.

“Victory will challenge those in Brazil that doubt us,” he said. “My players are very motivated, we want to make ourselves respected at home.”

“The fans have been fantastic from the (2-2) match against England at the Maracanã. They have given us a huge confidence boost.”

Much has been made of Brazil’s move away from flair and fluency towards a more functional approach, but Scolari said history only remembered results, not how you got them.

“Brazil played pretty [at] a World Cup (1982) and did not win,” added Scolari. “We sacrificed the result by the spectacle. The Spain team has been playing well and winning. Everybody wants that, but sometimes it is not possible. The result is the story, not the beautiful game.”

Scolari said he would not restructure his side to cope with the threat of Spain, after Italy frustrated them by playing three central defenders. Instead, Brazil are expected to name the same side that overcame Uruguay 2-1 in Belo Horizonte on Wednesday.

Spain counterpart Vicente del Bosque is relishing the prospect of Sunday’s final.

“I am highly satisfied, and for all of us this is something very beautiful. We are playing Brazil, the kings of football who have lived through marvellous moments in their football history, and to play in Maracana is something very special.

“I am delighted we are playing the final here and perhaps we can come back and play the World Cup final here as well in 2014.”

 

Source: BBC

Escritor Mia Couto ganha Prémio Camões 2013

Mia Couto (Foto: Divulgação)

Mia Couto (Foto: Divulgação)

O vencedor do prémio literário mais importante da criação literária da língua portuguesa é o escritor moçambicano autor de livros como Raiz de Orvalho, Terra Sonâmbula e A Confissão da Leoa . É o segundo autor de Moçambique a ser distinguido, depois de José Craveirinha em 1991.

O júri justificou a distinção de Mia Couto tendo em conta a “vasta obra ficcional caracterizada pela inovação estilística e a profunda humanidade”, segundo disse à agência Lusa José Carlos Vasconcelos, um dos jurados.

A obra de Mia Couto, “inicialmente, foi muito valorizada pela criação e inovação verbal, mas tem tido uma cada vez maior solidez na estrutura narrativa e capacidade de transportar para a escrita a oralidade”, acrescentou Vasconcelos. Além disso, conseguiu “passar do local para o global”, numa produção que já conta 30 livros, que tem extravasado as suas fronteiras nacionais e tem “tido um grande reconhecimento da crítica”. Os seus livros estão, de resto, traduzidos em duas dezenas de línguas.

Do júri, que se reuniu durante a tarde desta segunda-feira no Palácio Gustavo Capanema, sede do Centro Internacional do Livro e da Biblioteca Nacional, fizeram também parte, do lado de Portugal, a professora catedrática da Universidade Nova de Lisboa Clara Crabbé Rocha (filha de Miguel Torga, o primeiro galardoado com o Prémio Camões, em 1989), os brasileiros Alcir Pécora, crítico e professor da Universidade de Campinas, e Alberto da Costa e Silva, embaixador e membro da Academia Brasileira de Letras, o escritor e professor universitário moçambicano João Paulo Borges Coelho e o escritor angolano José Eduardo Agualusa.

Também em declaração à Lusa, Mia Couto disse-se “surpreendido e muito feliz” por ter sido distinguido com o 25º. Prémio Camões, num dia que, revelou, não lhe estava a correr de feição. “Recebi a notícia há meia hora, num telefonema que me fizeram do Brasil. Logo hoje, que é um daqueles dias em que a gente pensa: vou jantar, vou deitar-me e quero me apagar do mundo. De repente, apareceu esta chamada telefónica e, obviamente, fiquei muito feliz”, comentou o escritor, sem adiantar as razões.

O editor português de Mia Couto, Zeferino Coelho (Caminho), ficou também “contentíssimo” quando soube da distinção. “Já há muitos anos esperava que lhe dessem o Prémio Camões, finalmente veio”, disse ao PÚBLICO, lembrando que passam agora 30 anos sobre a edição do primeiro livro de Mia Couto em Moçambique, Raiz de Orvalho.

O escritor não virá à Feira do Livro de Lisboa, actualmente a decorrer no Parque Eduardo VII, porque esteve na Feira do Livro de Bogotá, depois foi para o Canadá e só recentemente voltou a Maputo. Zeferino Coelho espera que o autor regresse a Portugal na rentrée, em Setembro ou Outubro.

A Confissão da Leoa, Mia Couto │ Ed. Caminho

A Confissão da Leoa, Mia Couto │ Ed. Caminho

No entanto esta distinção não o vai desviar do seu novo romance, sobre Gungunhana, personagem histórico de Moçambique. “O prémio não me desvia. Estou a escrever uma coisa que já vai há algum tempo, um ano, mais ou menos, e é sobre um personagem histórico da nossa resistência nacionalista, digamos assim, o Gungunhana, que foi preso pelo Mouzinho de Albuquerque, depois foi reconduzido para Portugal e acabou por morrer nos Açores”, disse Mia Couto, à agência Lusa. “Há naquela figura uma espécie de tragédia à volta desse herói, que foi mais inventado do que real, e que me apetece retratar”, sublinhou.

Nascido em 1955, na Beira, no seio de uma família de emigrantes portugueses, Mia Couto começou por estudar Medicina na Universidade de Lourenço Marques (actual Maputo). Integrou, na sua juventude, o movimento pela independência de Moçambique do colonialismo português. A seguir à independência, na sequência do 25 de Abril de 1974, interrompe os estudos e vira-se para o jornalismo, trabalhando em publicações como A Tribuna, Tempo e Notícias, e também a Agência de Informação de Moçambique (AIM), de que foi director.

Em meados da década de 1980, regressa à universidade para se formar em Biologia. Nessa altura, tinha já publicado, em 1983, o seu primeiro livro de poesia, Raiz de Orvalho.

“O livro surgiu em 1983, numa altura em que a revolução de Moçambique estava em plena pujança e todos nós tínhamos, de uma forma ou de outra, aderido à causa da independência. E a escrita era muito dominada por essa urgência política de mudar o mundo, de criar um homem e uma sociedade nova, tornou-se uma escrita muito panfletária”, comentou Mia Couto em entrevista ao PÚBLICO (20/11/1999), aquando da reedição daquele título pela Caminho.

Em 1986 edita o seu primeiro livro de crónicas, Vozes Anoitecidas, que lhe valeu o prémio da Associação de Escritores Moçambicanos. Mas é com o romance, e nomeadamente com o seu título de estreia neste género, Terra Sonâmbula (1992), que Mia Couto manifesta os primeiros sinais de “desobediência” ao padrão da língua portuguesa, criando fórmulas vocabulares inspiradas da língua oral que irão marcar a sua escrita e impor o seu estilo muito próprio.

“Só quando quis contar histórias é que se me colocou este desafio de deixar entrar a vida e a maneira como o português era remoldado em Moçambique para lhes dar maior força poética. A oralidade não é aquela coisa que se resolve mandando por aí umas brigadas a recolher histórias tradicionais, é muito mais que isso”, disse, na citada entrevista. E acrescentou: “Temos sempre a ideia de que a língua é a grande dama, tem que se falar e escrever bem. A criação poética nasce do erro, da desobediência.”

Foi nesse registo que se sucederam romances, sempre na Caminho, como A Varanda do Frangipani (1996), Um Rio Chamado Tempo, Uma Casa Chamada Terra (2002 – que o realizador José Carlos Oliveira haveria de adaptar ao grande ecrã), O Outro Pé da Sereia (2006), Jesusalém (2009), ou A Confissão da Leoa (2012). A propósito dos seus últimos livros, o escritor confessou algum cansaço por a sua obra ser muitas vezes confundida com a de um jogo de linguagem, por causa da quantidade de palavras e expressões “novas” que neles aparecem.

Paralelamente aos romances, Mia Couto continuou a escrever e a editar crónicas e poesia – “Eu sou da poesia”, justificou, numa referência às suas origens literárias.

Na sua carreira, foi também acumulando distinções, como os prémios Vergílio Ferreira (1999, pelo conjunto da obra), Mário António/Fundação Gulbenkian (2001), União Latina de Literaturas Românicas (2007) ou Eduardo Lourenço (2012).

O escritor brasileiro João Ubaldo Ribeiro, Prémio Camões 2008, disse à Lusa, no Rio de Janeiro, que “Mia Couto é, sem dúvida, um dos escritores mais importantes da língua portuguesa, e esse prémio é o reconhecimento que sua obra já há tempo faz por merecer”. E congratulou-se “festivamente com Mia Couto e com a literatura moçambicana, que ele honra com sua arte e exemplo”.

E o escritor português Vasco Graça Moura considerou também ser esta uma atribuição perfeitamente merecida. “Mia Couto é um grande escritor, parece-me perfeitamente justificado”, disse à Lusa. Mia Couto é um “grande autor de língua portuguesa” e tem “uma capacidade de invenção verbal surpreendente. Por isso, na perspectiva do escritor português, a obra de Mia Couto “ultrapassa, de algum modo, os limites normais da prosa escrita em português”.

Nas anteriores 24 edições do Prémio Camões, Portugal e Brasil foram distinguidos dez vezes cada, a última das quais, respectivamente, nas figuras de Manuel António Pina (2011) e de Dalton Trevisan (2012). Angola teve, até ao momento, dois escritores citados: Pepetela, em 1997, e José Luandino Vieira, que, em 2006, recusou o prémio. De Moçambique fora já premiado José Craveirinha (1991) e de Cabo Verde Arménio Vieira (2009).

Criado por Portugal e pelo Brasil em 1989, e actualmente com o valor monetário de cem mil euros, este é o principal prémio destinado à literatura em língua portuguesa e consagra anualmente um autor que, pelo valor intrínseco da sua obra, tenha contribuído para o enriquecimento do património literário e cultural da língua comum.

 


O autor virá ao Brasil no segundo semestre, para a Bienal do Livro do Rio de Janeiro. Veja abaixo uma breve entrevista de Mia Couto sobre seu romance mais recente, A confissão da leoa.

 

Fonte: Público Cultura │ Portugal

 

Brasil sedia Congresso Global de Empreendedorismo

Entre 18 e 21 de março, o mundo inteiro estará de olhos abertos para o Brasil, o primeiro país latino-americano a receber, no Rio de Janeiro, o Congresso Global de Empreendedorismo (“Global Entrepreneurship Congress”, ou GEC, em inglês). Organizado pela Endeavor Brasil e pela Kauffman Foundation, o evento reunirá representantes de 125 países para discutir práticas bem-sucedidas ligadas ao empreendedorismo e, à luz de novas informações e pesquisas, identificar oportunidades.

pt-br

“O Brasil é a grande aposta global do ponto de vista do empreendedorismo”, acredita Marcella Monteiro de Barros, coordenadora da Semana Global do Empreendedorismo, que está por trás de toda a operaçãodo GEC. Para ela, não se trata apenas de trazer o evento para o país e garantir que seja bem-sucedido, mas de, por meio das discussões levantadas, apontar caminhos importantes para um Brasil mais empreendedor. E não somente tornar o Brasil mais empreendedor, mas o tipo de empreendedor que ele quer, direcionado para o alto crescimento. “Queremos transformar o país em um case de ecossistema empreendedor para o mundo”, afirma.

Pode-se dizer que o evento está dividido em dois momentos: um deles, restrito a convidados nacionais e internacionais, que se propõe a identificar as barreiras do ambiente para o desenvolvimento do empreendedorismo no país, além de compartilhar melhores práticas e apresentar soluções de longo prazo, e outro, aberto ao público por meio dos eventos paralelos ou fringe events, que inclui debates, oficinas e palestras em torno dos temas principais do evento.

Segundo Marcella, a esfera de políticas públicas, que contará com a presença de ministros, do governador e do prefeito do Rio de Janeiro, é um dos pontos-chave do GEC. Educação empreendedora, acesso a capital e startups também são áreas que terão suas próprias atividades, painéis de discussão e lançamento de programas especiais, como o Start-up Brasil, do governo federal.

Com o intuito de potencializar o seu legado, o evento articulou a presença de figuras expoentes do empreendedorismo no Brasil e no mundo: economistas, acadêmicos, pesquisadores, figuras públicas, empreendedores, investidores, entre outros, cujos pontos de vista somam forças para influenciar os rumos do empreendedorismo no Brasil. Entre os principais nomes, estão Fiorina Mugione, chefe da Divisão de Empreendedorismo da Unctad (ONU); Linda Rottenberg, co-fundadora e CEO da Endeavor Global; Fabio Barbosa, CEO da Editora Abril; Alexandre Hohagen, Vice Presidente do Facebook na América Latina, entre outros.

Um dos efeitos disso, aponta Marcella, é o reforço positivo dessas práticas nos estados e regiões brasileiras. “Os líderes-chave da Semana Global do Empreendedorismo voltam para suas regiões com mais subsídios e ferramentas”, argumenta. Um dos trunfos do GEC é ampliar o contato com representantes de outros países e assim tornar tangível uma Semana Global, por exemplo. “A mensagem que fica parece sutil, mas na verdade o senso de identificação é muito determinante. Embora seja um evento fechado, feito por poucos, a mensagem é para muitos”, conclui.

A evolução do GEC

O “Global Entrepreneurship Congress” nasceu no Kansas, nos Estados Unidos, em 2009, como uma reunião de trabalho. Incluía apenas os coordenadores mundiais da Semana Global do Empreendedorismo para apresentar os destaques da edição anterior e definir a seguinte. Com o tempo, o meeting original passou a representar muito mais do que isso.

A partir da edição de Xangai, na China, começou a envolver outros atores da cena empreendedora no país, como ministros, investidores-anjo e empreendedores de sucesso, até que, em Liverpool, na Inglaterra, presenciou uma grande virada. A imprensa se engajou na cobertura do evento, que conquistou grande prestígio com a participação do fundador do grupo Virgin, Richard Branson, e outros visitantes internacionais de renome, e a cidade se transformou em um polo de discussões em prol do ecossistema empreendedor. “É o que esperamos para o Rio”, projeta Marcella.

 

Fonte: Endeavor Brasil

ADP e Schiphol se aliam a brasileiros para adquirir 50% do aeroporto do Rio

O grupo francês Aéroports de Paris e seu aliado holandês Schiphol se associaram com duas empresas brasileiras para apresentar uma oferta para comprar cerca de 50% do aeroporto do Rio de Janeiro, que o governo brasileiro deseja privatizar, informaram nesta terça-feira fontes da Schiphol.

“Ainda não foi adotada uma decisão final sobre a apresentação ou não de uma oferta, mas há um sério interesse”, disse à AFP Mirjam Snoerwang, porta-voz do grupo Schiphol e do terminal 4 do aeroporto JFK de Nova York. O consórcio, composto por ADP, Schiphol, pela empresa brasileira de construção Carioca e pelo fundo GP Investimentos, pode apresentar uma oferta no segundo semestre do ano.

StsDumont

Se decidirem fazer a oferta, será por 50%, mais ou menos, das ações do aeroporto. “O Brasil é atrativo, é uma economia em pleno crescimento e além disso organizará a Copa do Mundo de Futebol em 2014 e os Jogos Olímpicos em 2016”, ressaltou Snoerwang.

O ADP já manifestou publicamente em várias ocasiões seu interesse em adquirir uma participação do aeroporto do Rio. Seu presidente, Augustin de Romanet, afirmou no fim de fevereiro que o governo brasileiro estaria feliz com a participação do ADP. Em uma entrevista à agência de notícias holandesa ANP, o diretor-executivo da Schiphol, Jos Nijhuis, indicou na segunda-feira que a oferta eventual seria por uma concessão de 30 anos fornecida pelo governo brasileiro, que continuaria sendo o proprietário do resto das partes do aeroporto.

A qualidade do aeroporto da cidade, com uma capacidade para 17,3 milhões de passageiros por ano, deixa, segundo Nijhuis, muito a desejar. Os investimentos dos novos proprietários beneficiariam também a companhia aérea holandesa KLM, para a qual “o Brasil é importante”. Nijhuis havia afirmado que os dois sócios brasileiros assumiriam juntos uma parte superior a 50% no consórcio. Snoerwang confirmou nesta terça-feira que a parte de Schiphol no seio do consórcio seria minoritária.

 

Fonte: Correio Braziliense