digital

A ‘crisis’ in online Ads: One-third of traffic is bogus

MK-CK997_MARKET_ER_20140323181354Ilustration: David Plunkert

Billions of dollars are flowing into online advertising. But marketers also are confronting an uncomfortable reality: rampant fraud.

About 36% of all Web traffic is considered fake, the product of computers hijacked by viruses and programmed to visit sites, according to estimates cited recently by the Interactive Advertising Bureau trade group.

So-called bot traffic cheats advertisers because marketers typically pay for ads whenever they are loaded in response to users visiting Web pages—regardless of whether the users are actual people.

The fraudsters erect sites with phony traffic and collect payments from advertisers through the middlemen who aggregate space across many sites and resell the space for most Web publishers. The identities of the fraudsters are murky, and they often operate from far-flung places such as Eastern Europe, security experts say.

The widespread fraud isn’t discouraging most marketers from increasing the portion of their ad budgets spent online. But it is prompting some to become more aggressive in monitoring how their money is spent. The Internet has become so central to consumers, that advertisers can’t afford to stay away.

Digital “is too important,” says Roxanne Barretto, assistant vice president for U.S. digital marketing at L’Oréal SA, which recently uncovered evidence that an online ad purchase was affected by fraud and other problems. “Slowing down spend represents a missed opportunity to connect with our core audience.”

Spending on digital advertising—which includes social media and mobile devices—is expected to rise nearly 17% to $50 billion in the U.S. this year. That would be about 28% of total U.S. ad spending. Just five years ago, digital accounted for 16%.

The big question is whether attitudes will change if signs of fraud increase. Many people in the ad business are worried. Ziff Davis Inc. Chief Executive Vivek Shah, the chairman of the Interactive Advertising Bureau, said at the group’s annual conference last month that Internet advertising was facing a “crisis.”

Several big advertisers—including L’Oréal, General Motors Co. and Verizon Communications Inc. —have found that some of their online ad purchases were affected by fake traffic, people familiar with the situation say. Such examples threaten advertiser confidence in the effectiveness of digital compared with traditional media, such as television.

“When you bundle bots, clicks fraud, viewablity and the lack of transparency [in automated ad buying], the total digital-media value equation is being questioned and totally challenged,” says Bob Liodice, chief executive of the Association of National Advertisers trade group. Advertisers are beginning to question if they should increase their digital ad budgets, he says.

“The clients we work with would love to spend more money in digital,” says Quentin George, a co-founder of ad-technology consulting firm Unbound. “But until we give them more control and transparency on how the money is being spent, they will continue to have questions and hold money back.”

Given how much time consumers spend on mobile devices, social media and the Web, digital outlets should be drawing a much higher percentage of marketers’ ad budgets, he says. Many factors affect the size of digital ad budgets, including, not just fraud, but difficulties in measuring audiences as well, executives say.

Many ad executives only now are coming to grips with the reality of fraud. Part of the problem is that estimates of online ad fraud are difficult to nail down. Ad-fraud detection firm White Ops last year reported that fraudsters had stolen some $6 billion in the U.S. alone.

Few marketers say they plan to cut back on digital advertising. Instead advertisers are getting more aggressive in monitoring what they are getting and in demanding reimbursement if fraud is uncovered.

Verizon Wireless and L’Oréal, among others, in recent months demanded free ad space to make good on ad spending that was inflated by fraud, executives say.

Marketers also are making deals in which they pay only on concrete evidence that consumers signed up for their products or services.

And advertisers are turning to online-ad auditing firms to check for fraudulent traffic.

Telemetry’s investigation of Verizon’s ad purchases found more than $1 million in fraud, people familiar with the matter say. Verizon has asked major ad exchanges and ad networks for free ads to make up for the fraud, the people say.

Verizon is the eighth-largest advertiser in the U.S., spending $1.2 billion on ads last year, according to research firm Kantar Media.

“We do use many different methods to ensure fraud does not occur, not only to ensure our dollars are well-spent, but to ensure our messages are reaching the right customers,” a Verizon spokeswoman says.

L’Oréal, which uses Telemetry and other firms, says it found that some of its digital ad placements purchased through exchanges and in some cases directly from Web publishers were seen by bots. It also discovered other issues, such as ads being seen by people that don’t live in the U.S.—that is, beyond the ads’ intended target.

(Not all bots are used for fraud. Google Inc., for example, uses bots to find information on the Internet.)

Verizon and L’Oréal have reworded their media contracts to ensure that the companies are protected from online-ad scams, such as video ads that play without volume, and pitfalls such as bot traffic.

“In partnership with our agency, DigitasLBi, we put those types of mandates into our contracts so [publishers and exchanges] are held accountable,” says L’Oréal’s Ms. Barretto. The cosmetics company says such contract language has allowed L’Oréal to get free ad space as reimbursement for fraud and other problems.

Advertisers hope that demanding make-good ads will pressure ad exchanges and ad networks to ensure that their inventories are properly vetted. Marketers also keep lists of sites that have fraudulent traffic and ask that when the free ads are given, they be placed on high-quality sites, which have low fraud rates.

GM recently hired White Ops to audit some of the auto maker’s online ad purchases, people familiar with the matter say. GM found evidence that some of its ads were served to bots, one of the people says.

“We’re aware of the concerns within the industry about ad fraud and are working to address those concerns as they pertain to our business,” a GM spokeswoman says.

Coca-Cola Co. is about to enlist White Ops to conduct a test of the beverage maker’s U.S. ad purchases and is trying to determine how it can do so in other markets, a person familiar with the matter says.

Lenovo Group Ltd. also is talking to ad-technology outfits about conducting a test. “Ultimately, this is about waste reduction,” says Gary Milner, director of global digital marketing for the computer maker.

—Mike Shields contributed to this article.

 

Source: Wall Street Journal

Revistas e quadrinhos migram para o universo digital

nanotecnologiaem02(Foto: Henrique Kugler)

Em 1959, quando Mauricio de Sousa esboçou os traços de seu primeiro personagem, o cãozinho Bidu, os quadrinhos e as tiras de jornais eram os únicos palcos para as brincadeiras da Turma da Mônica. Passados pouco mais de 50 anos, Mônica, Cebolinha e toda a turma estão encontrando novos espaços para suas coelhadas e planos infalíveis: as telas de computadores, tablets, smartphones e TVs conectadas. Mais que um caso isolado, essa mesma trama simboliza uma tendência. Em meio ao avanço da internet, empresas e personagens que marcaram a infância de diversas gerações estão migrando para o universo digital.

“Hoje, as crianças estão muito concentradas nesse ambiente. Nós percebemos que era preciso atualizar a nossa marca para manter a relevância”, diz Marcos Sousa, responsável pela divisão digital da Mauricio de Sousa Produções.

Segundo dados da Nielsen IBOPE, a faixa etária de dois a 11 anos representou 12% dos internautas brasileiros em fevereiro. A média mensal de navegação das crianças brasileiras nesse intervalo foi de 15 horas e 28 minutos.

“Os meninos preferem os jogos de disputa e as meninas preferem os games que simulam o dia a dia de um adulto”, diz José Calazans, consultor da Nielsen IBOPE. “Ao mesmo tempo, as crianças da Classe C consomem mais games, músicas e vídeos. Já nas classes A e B, a navegação é mais voltada aos conteúdos relacionados a TV e aos jogos de avatares”, observa.

Atenta a esse cenário, a Mauricio de Sousa Produções criou uma divisão digital há dois anos. As primeiras iniciativas foram a reformulação do site da marca e a criação de um canal oficial no YouTube, que hoje contabiliza 19 milhões de visualizações. Ao lado da Lojinha da Mônica – loja virtual da Turma – o canal é a principal fonte de receitas da área, que concentra ainda iniciativas como uma série de aplicativos para iPad, dispositivos Android e para o serviço de vídeo sob demanda Vivo Play, da Telefônica/Vivo, que já conta com 400 mil assinantes.

20032014_Turmadamonica_PatriciaStavisPara 2014, a área programa a segunda temporada da série “Mônica Toy”, veiculada no YouTube, e o lançamento de um serviço de assinatura que dará acesso a todo o acervo digital das revistas. “Vamos lançar até 15 aplicativos. Em um ou dois anos, essa será a maior divisão da empresa”, diz Sousa.

Outro nome tradicional, a Disney também vem seguindo essa trilha. Uma das iniciativas foi a compra, em 2007, do Club Penguin, por US$ 350 milhões. A plataforma reúne jogos e princípios de redes sociais, como a criação de avatares e a interação com outros usuários. Esses recursos contam com filtros de segurança, com a possibilidade de bloquear palavras inapropriadas e o fornecimento de dados pessoais.

Grande parte do serviço é gratuito. Para ter acesso a alguns conteúdos, o site oferece planos de assinatura. “Crescemos mais de 4.000% desde o lançamento no Brasil, em 2008. Mesmo antes do site em português, muitas crianças brasileiras já acessavam o serviço em inglês”, diz José Carlos Rodrigues, diretor da Disney Interactive Brasil. “Outro dado interessante é que, globalmente, o Club atinge a faixa de seis a 14 anos. No Brasil, já temos muitas crianças de quatro anos entre os usuários”.

Com um aplicativo para iPad, a rede estuda agora as parcerias com fabricantes de tablets destinados a esse público e vai reforçar também os acordos com varejistas para a distribuição de cartões pré-pagos que dão acesso ao serviço.

Os mesmos recursos de acesso, criação de avatares e chats filtrados compõem o “Mundo do Sítio”, da Editora Globo e da Globo Marcas. O portal reúne jogos e conteúdos como livros animados do “Sítio do Pica-Pau Amarelo”. No ar há três anos, o site tem quatro milhões de crianças cadastradas e 400 mil usuários ativos. “O portal é fruto de uma vontade de apresentar os personagens para essa nova geração, que tem raciocínio rápido e um outro tempo de concentração”, diz Simone Coelho, supervisora da equipe do “Mundo do Sítio”. “Eles interagem muito mais. Chegamos a ter posts com mais de dois mil comentários”. Depois de lançar um aplicativo para iPad, o serviço planeja reforçar a migração de parte do conteúdo para os dispositivos móveis. Uma das frentes são as parcerias para embarcar jogos do “Mundo do Sítio” nos tablets e smartphones de diversos fabricantes.

 

Fonte: Brasil Econômico

Três razões pelas quais o Bitcoin ainda não está na sua carteira

bitcoins

A medida que a popularidade do Bitcoin cresce, também cresce as especulações sobre a sua posição como uma moeda legal. Mas há questões remanescentes que precisam ser resolvidas antes de as pessoas começarem a usar o Bitcoin para compras coisas cotidianas, disseram especialistas na segunda-feira (10).

O Bitcoin tem sido descrito tanto como uma reserva de valor e uma moeda, mas é discutível se ele é alguma dessas duas coisas. Seu preço pode oscilar muito de um dia para outro – se não de uma hora para outra – e sua reputação foi manchada por sua conexão com a venda de produtos ilegais e outras atividades ilícitas, como lavagem de dinheiro.

Por essas razões e mais, o Bitcoin tem um longo caminho a percorrer antes de se tornar uma forma tradicional de pagamento. Aqui estão três motivos que geraram alguma discussão na segunda-feira no The Future of Money and Technology, uma conferência em São Francisco.

1. Comprador, atenção!

Para iniciantes, as transações com Bitcoins são projetadas para serem irreversíveis. Então, se você comprar algo online de um comerciante que aceita Bitcoin e a transação acabar por ser uma falsa, ou o pagamento for enviado para o lugar errado, ou qualquer outra coisa acontecer, o comprador provavelmente perderá esse dinheiro.

“Você está lidando com a honestidade do vendedor”, disse Steve Kirsch, CEO da OneID, uma startup que oferece serviços de criptografia para proteger os dados das pessoas. “É como dar dinheiro às pessoas”, disse ele durante um painel de discussão na conferência.

Outros palestrantes, todos apoiantes do Bitcoin, concordaram que em 2014 mais serviços poderia aparecer com o intuito de resolver este problema, como contas judiciais que poderiam canalizar o dinheiro de volta para o comprador no caso de transações fraudulentas.

O sistema de Bitcoin é construído usando uma estrutura de código aberto, então esses tipos de acontecimentos realmente podem acontecer.

Novas empresas poderão surgir no próximo ano para resolver este problema. Os “jogadores” existentes, como processadores de pagamento de Bitcoin, podem também adicionar novas funcionalidades aos seus serviços nesta área, disseram os palestrantes.

2 . Mantendo seus bitcoins seguros

Cada bitcoin tem uma chave privada associada a ele que, se descriptografada, permite que a moeda seja enviada para outro computador usando um software peer-to-peer (P2P). Por estas chaves privadas serem frequentemente armazenados em computadores pessoais de pessoas ou dentro de serviços baseados na Web, os bitcoins são vulneráveis ​​ao roubo.

“Todos os mecanismos existentes para a segurança, incluindo as suas assinaturas [verificadas], são problemáticas”, disse Kirsch. Qualquer tipo de ataque malware pode ser direcionado ao computador de alguém com a finalidade de roubar bitcoins, disse ele.

Existem diferentes formas de armazenar essa chave privada. A Coinbase e outras empresas oferecem carteiras digitais. Outras companhias têm carteiras “offline” ou em papel para colocar a posse da chave de volta para as mãos do usuário, literalmente: os endereços Bitcoin e as chaves privadas são impressas em um pedaço de papel. E os gêmeos Winklevoss, do Facebook, também ofereceu uma solução com os chamados “cofres”.

Mas nenhuma dessas estratégias menciona o fato de que alguém ainda tem que armazenar a chave em algum lugar, disseram os especialistas durante a conferência. “Se você armazenar errado ou deixar por aí, é como o dinheiro”, disse Jared Kenna, CEO da TradeHill, uma casa de câmbio de Bitcoin que suspendeu suas negociações em agosto, devido a questões com serviços bancários e assuntos regulatórios.

Um sistema de carteira, chamado Armory, permite aos usuários manter várias carteiras criptografadas.

Ter muito criptografia, no entanto, também pode ser uma coisa ruim. “Tenho amigos que são especialistas em criptografia”, disse Kenna. Alguns desses amigos aplicaram tanta criptografia para as chaves que eles não conseguiam recuperá-las, disse ele.

3 . Os bancos não estão a bordo

O Bitcoin ganhou recentemente o apoio de autoridades federais em Washington D.C., mas muitos bancos comerciais ainda não sabem o que pensar sobre isso.

Para usuários do Bitcoin que estão pensando em uma rota mais tradicional para manter suas verbas de segurança, isso pode ser um problema. A moeda é projetada para existir sem qualquer autoridade financeira ou legislativa – mas talvez alguma regulamentação seja necessária, afinal de contas, disseram os palestrantes.

“A falta de regulamentação pode fazer mais mal do que qualquer regulação poderia fazer”, disse Kenna do TradeHill. “Quando não há um regulamento claro, os bancos não querem nem chegar perto”, disse ele.

O recente apoio de Washington ao Bitcoin, e de figuras populares como o empresário Richard Branson, poderia ajudar a “tirar as pedras do caminho”.

“Há grandes forças em curso dentro do governo dos EUA”, disse Brewster Kahle, presidente da União de Crédito na Internet, um banco simpático ao Bitcoin que despejou alguns de seus clientes no verão passado, citando questões regulatórias. “Estou esperando que as coisas fiquem um pouco melhores”, disse ele.

 

Fonte: IDGNow!

Revolução digital Farroupilha

Revolução-Farroupilha-Sicredi_-DZ-Estúdio(Imagem: Divulgação)

E se a Revolução Farroupilha acontecesse em 2013, e não em 1835? Quantas curtidas Bento Gonçalves receberia quando atualizasse seu perfil, agora como presidente da Província? É isso que um vídeo de um minuto e meio tentou imaginar, de forma tri bem humorada.

Em homenagem ao 20 de setembro, o Sicredi de Porto Alegre criou a Revolução Digital Farroupilha. Nele, os envolvidos no acontecimento histórico aparecem compartilhando uma notícia no Facebugre, organizando o encontro no Foursquare (no vídeo, virou Quatrocantos) e trocando mensagens pelo hilário Tchêmail. Toda a criação é da agência digital DZ Estúdio.

Confira o vídeo:

 

Fonte: Bloger Lerina │ ClicRBS

Kodak sai da falência com foco em impressão comercial

(Imagem: Reprodução)

A Eastman Kodak Co, pioneira na área de fotografia, saiu nesta terça-feira do Capítulo 11 da lei norte-americana de proteção à falência, com planos de continuar como uma empresa de impressão digital menor.

A nova Kodak vai focar em produtos comerciais como tecnologia de impressão digital de alta velocidade e impressão de embalagens flexíveis para produtos de consumo.

“Vocês não podem imaginar o quanto eu esperei por este momento… Esta é uma companhia totalmente nova”, disse a repórteres o presidente-executivo Antonio Perez.

Fundada em 1880 por George Eastman, a Kodak foi por anos sinônimo de câmeras domésticas de uso familiar. A empresa apresentou falência de 6,75 bilhões de dólares em janeiro de 2012, pressionada pelos altos custos de fundos de pensão e longos anos de atraso em adotar a tecnologia de câmeras digitais.

A nova companhia espera ter receita de 2,5 bilhões de dólares este ano, disse Perez.

A companhia resolveu em abril uma disputa crucial com seu fundo de pensão britânico, que desistiu de uma demanda de 2,8 bilhões de dólares contra a Kodak. O fundo também comprou os negócios de imagens personalizadas e impressão de documentos da companhia por 650 milhões de dólares.

Perez, no cargo desde 2005, vinha tentando direcionar a empresa para impressoras de consumo e comerciais, mas não conseguiu conter a fuga de recursos. A empresa não tem um lucro anual desde 2007.

 

Novo logotipo da marca

 

 Fonte: Exame.com