20131121081900

Literatura, pintura, escultura e até os objetos mais triviais do quotidiano: nada escapa ao delírio criativo dos surrealistas.

Uma exposição em Paris mostra uma série de objetos transformados em arte pela magia do movimento lançado por André Breton em 1924.

Breton definia o surrealismo como um “automatismo psíquico” que permite exprimir o “funcionamento real do pensamento”.

Salvador Dali, Man Ray, Marcel Duchamp, Miró e Alberto Gacometti são alguns dos artistas representados na mostra parisiense.

“André Breton disse que os objetos surrealistas são como manifestações do sonho materializado, como parasitas, objetos que perturbam a nossa relação ao real. Introduzem um elemento dissonante, perturbador para rasgar o véu do real de modo a revelar aquilo que interessa aos surrealistas: o desejo, o inconsciente e o fantasma”, disse Didier Ottinger, comissário da exposição.

“Porte bouteilles”, um ready made de Marcel Duchamp é uma das obras em exposição.

O artista francês é conhecido mundialmente por ter proposto em 1917, a exposição de um urinol de porcelana em vez de uma escultura feita pelas próprias mãos, o objeto foi recusado.

“Marcel Duchamp organiza as exposições surrealistas a partir de 1938 e cria cenários chamados comboios-fantasma. Mais tarde a crítica afirma que as exposições surrealistas são parques de diversões. Era algo revolucionário que fascinou o público da época. As exposições surrealistas nos anos 30 podiam receber 50 mil visitantes, o que era inédito. O surrealismo foi o primeiro movimento capaz de criar um laço entre o artistas e o público”, acrescentou o responsável.

A exposição O surrealismo e o objeto pode ser visitada em Paris, no Centro Pompidou, até 3 de março de 2014.

 

 

Fonte: EuroNews