Entretenimento

Brazil a mix of mutiny and mourning after ‘biggest shame in history’

The morning after the night before, Brazil will wake up, shake its head and pray it has all been a terrible nightmare.

copa 2014

Left disorientated, punch drunk and confused by the 7-1 annihilation in the Estádio Mineirão it will take time for the full implications to sink in for a country that had so much invested – in all senses of the word – in World Cup success.

The newspapers, broadcasters and websites that had spent the last few days whipping up a sentimental tidal wave of sympathy for Neymar turned on Luiz Felipe Scolari’s men.

David Luiz, the capering heartbeat of this side and their second most popular player after the stricken No10, was now the tear-stained villain.

The Mineiraço, as it is already being called in an echo of the deep impact of the 1950 Maracanazo when Uruguay defeated Brazil in the final the last time the tournament was held here, was variously described as “the disgrace of all disgraces” and “a historic humiliation”. The sports paper Lance called it “the biggest shame in history”.

The previous day there had been even bigger tailbacks than usual in São Paulo as Brazilians rushed home to ensure they were in front of a television set. By 5pm, the streets were eerily silent in Brazil’s biggest city. What was to follow was equally unsettling.

The effects will be wide-ranging, for a whole host of reasons – political, economic and cultural – in a country where, despite everything, football remains so closely bound up with national identity.

For president, Dilma Rousseff, who found herself the target of obscene chants that had not been heard inside World Cup grounds since the São Paulo opener, the result could have an impact on her re-election prospects in October.

In São Paulo, those catcalls were generally interpreted as the chants of a moneyed crowd who despise her spending on welfare rather than those of a popular uprising.

In Belo Horizonte, intermingled with abuse for the Brazilian players (especially Fred), they felt more like an attempt to lash out at anyone and everyone.

But the dissatisfaction with under-investment in public services, and endemic corruption, of the millions that took to the streets during a Confederations Cup that Brazil won last summer has not gone away.

Immediately following the epochal defeat, Dilma took to Twitter to try to put into words the pain of a nation. “Like every Brazilian, I am very, very sad about this defeat. I am immensely sorry for all of us. Fans and our players,” she said, before borrowing the lyrics of a popular samba song to urge them to “shake off the dust” and rise again. That will be easier said than done.

There were also immediate fears that Brazil’s exit could ignite violent protests or pour petrol on anti-World Cup feelings that have continued to simmer since last summer’s mass marches but have been effectively smothered by police and the prevailing goodwill towards the football – if not Fifa or the authorities – up to now.

That may change, as discontent with Scolari’s humiliated team gives way to deeper introspection about the $11bn price tag of hosting the World Cup.

The tone before the game was already off key. The mawkishness before kick-off – the Neymar hats, the holding up of his shirt like a religious artefact – jarred with the lack of a minute’s silence for the two people killed in the collapse of an overpass in Belo Horizonte last week.

It was as though nothing must be allowed to get in the way of the “Força Neymar” narrative.

One of the striking things about this World Cup is the extent to which Brazil have gone from being everyone’s second favourite team to hardly anyone’s.

There is still the odd tourist clad in yellow and green here, but internationally there has been a backlash against the side – as though they have gone from standing for everything that is right in the game to everything that is wrong.

On the streets of São Paulo, an atmosphere of dazed confusion quickly settled over the city. In the run-up to the opening match, it had felt tense: metro workers were striking, the city’s overcrowded streets were even more congested than usual and there was a sense of foreboding rather than celebration about what the World Cup would bring.

If that changed as the tournament went on and the city loosened up a bit, it flooded back as the goals rained in.

On Paulista, a small gang of protesters against the World Cup revelled in Brazil’s defeat. In Zona Sul, buses were set on fire and a shop looted. But for the vast majority, stunned resignation seemed to be the order of the day.

During that extraordinary first-half flurry of goals, there were tears through dazed eyes. By the end, punch-drunk fans had either turned away from the television altogether or were staring blankly at their phones – as though social networks could somehow make sense of the humiliation.

On the busiest streets of bars after the final whistle, some drank to forget in their green and yellow outfits. Others discreetly took off their brand new Seleção jerseys and pushed them into their bags.

The street sellers across Brazil who had been doing a roaring trade in knock-off Neymar shirts, horns, hooters, flags and other paraphernalia must now take stock of piles of unsold inventory.

In the small bars and lanchonetes that pepper the streets of every Brazilian city, televisions burbled away in the background as small groups sat around over a shared bottle of beer and dissected the most arresting result in Brazilian football history.

Even the pundits looked funereal. Ronaldo, on the World Cup organising committee, stared blankly into space as his colleagues attempted to make some sense of the chaos.

In Rio de Janeiro, the mood was similar – small scuffles broke out and there was panic at a mass robbery on the beach, but the overall atmosphere was somewhere between mutiny and mournful resignation as tens of thousands trooped away from the Copacabana in the teeming rain.

There were reports of arrests in Recife and Salvador, two of the northern cities that have taken this tournament to their heart.

Hundreds of those in the stadium in Belo Horizonte left at half-time but, perhaps surprisingly, the majority stayed until the bitter end. When André Schürrle scored Germany’s seventh, they rose as one to give their conquerors a standing ovation.

At the final on Sunday in a brand new Maracanã stadium that will not now host a Brazil team at this tournament, such treatment is unlikely to repeated for either Dilma or the Fifa president, Sepp Blatter, when they emerge to hand over the trophy.

In the short term, Scolari’s side must rouse themselves for the third-place play-off in Brasília. Where they – and the 200 million people still trying to come to terms with humiliation on a grand scale in their own backyard – go from there is anyone’s guess.

 

Source: The Guardian, online edition

Programação Especial de Carnaval

wp45Pôster do filme “O Mistério do Samba” (imagem: Divulgação)

O já tradicional aquecimento para o Carnaval tem espaço garantido no Canal Brasil. A partir de fevereiro, o assinante pode conferir, diretamente de seu camarote privativo, as melhores produções cujo tema é a maior festa popular do mundo, além de shows que prometem não deixar ninguém parado e da continuação da série 100 Anos de Samba, numa reverência ao ritmo que embala milhares de foliões. Ao som de pandeiros, tamborins, cuícas, caixas e surdos, o bloco entra na avenida com uma seleção que promete animar até quem está no clima da quarta-feira de cinzas.

Serão diversas obras distribuídas ao longo de 14 dias. Os títulos acompanham desde a beleza das mulatas; passando pelas clássicas marchinhas e pelo esplendor dos desfiles; e chegando à história de grandes ícones da MPB.

Segue a Programação Especial de Carnaval:

1º Dia: Com direção de Carolina Jabor e Lula Buarque de Hollanda, O Mistério do Samba (2008) (90’) retrata a história e o cotidiano dos integrantes da Velha Guarda da Portela, escola que detém o maior número de títulos no Carnaval do Rio de Janeiro (21 conquistas). Com Marisa Monte conduzindo grande parte das entrevistas, os componentes relatam episódios mesclando vida particular com a trajetória da agremiação.
O longa-metragem conta também com a participação especial de Paulinho da Viola e Zeca Pagodinho. Em 2008, esteve na seleção oficial do Festival Internacional de Cannes e, no ano seguinte, levou os troféus de melhor documentário e montagem no Grande Prêmio Vivo do Cinema Brasileiro.
Segunda, dia 17/02, às 19h e terça, dia 18/02, às 11h30.

2º Dia: Nara Leão, Chico Buarque, Maria Bethânia, Hugo Carvana, Antônio Pitanga, Ana Maria Magalhães, José Lewgoy, Elke Maravilha, Wilson Grey, Odete Lara e Scarlet Moon marcam presença em Quando o Carnaval Chegar (1972) (100’), comédia de Cacá Diegues com trilha sonora dos próprios músicos/atores.
Na trama, um empresário de um grupo de cantores consegue um contrato para uma apresentação em homenagem a um rei que chegará à cidade do Rio de Janeiro no Carnaval. Discussões internas e romances inesperados impedem que o espetáculo se realize, mas os artistas voltam a se juntar, fazendo shows mambembes.
Terça, dia 18/02, às 19h e quarta, dia 19/02, às 11h30.

3º Dia: Mulatas! Um Tufão nos Quadris (2011) (91’), documentário dirigido por Walmor Pamplona, traça o perfil de um dos grandes ícones do carnaval carioca. Além de abordar a beleza e a ginga características, a obra amplia o olhar retratando o lado pessoal e as dificuldades experimentadas por essas beldades que encantam a Marquês de Sapucaí. Tânia Bisteka, da Mangueira; Elaine Ribeiro, da Porto da Pedra; Rose Bombom, da Grande Rio; Nilce Fran, da Portela; Sônia Capeta e Jaqueline, da Beija-Flor; e Ana Pérola, da Mocidade Independente, são algumas das entrevistadas.
As musas mostram suas rotinas, os sonhos, as angústias, as vaidades, a paixão pelo samba, os preparativos para os desfiles, a discriminação sofrida e as profissões exercidas no restante do ano. O filme traz ainda a participação do jornalista Sérgio Cabral, que comenta a importância histórica das mulatas, e de Alberico Campana, gerente do restaurante Plataforma, onde acontece o único show permanente de passistas.
Quarta, dia 19/02, às 19h e quinta, dia 20/02, às 11h30.

4º Dia: Dirigido por Izabel Jaguaribe, o documentário Paulinho da Viola – Meu Tempo É Hoje (2003) (86’) traça um perfil da vida e obra do sambista. Criado em um ambiente naturalmente musical e por influência do pai – o violonista César Faria, integrante do conjunto Época de Ouro –, Paulinho da Viola fez de sua música um elo entre samba, Carnaval e choro. Herdeiro de Cartola, Candeia e Nelson Cavaquinho, ele mostra que ainda busca a renovação – sem deixar de lado seus princípios e valores estéticos. No registro, o retratado relaciona mestres e influências, além de revelar sua rotina discreta e muito peculiar. O público confere depoimentos de Marina Lima, Zeca Pagodinho, Marisa Monte, Elton Medeiros, Luciana Rabello, Hermínio Bello de Carvalho, Nelson Sargento, Walter Alfaiate, David do Pandeiro, Jair do Cavaquinho, Guaracy, Monarco e Ronaldo do Bandolim, dentre outros.
Quinta, dia 20/02, às 19h e sexta, dia 21/02, às 11h30.

5º Dia: Baseado na peça Orfeu da Conceição, de Vinicius Moraes, e assinado por Cacá Diegues, o título foi o representante do Brasil na corrida pela indicação ao Oscar na categoria Filme Estrangeiro no ano 2000. O longa, também eleito melhor filme de 1999 no Grande Prêmio Cinema Brasil, conta com um elenco formado por Toni Garrido, Patrícia França, Murilo Benício e Zezé Motta, além de ter a direção musical de Caetano Veloso.
Orfeu (1999) (113’) é uma homenagem ao brilho das agremiações e traz cenas de todo o esplendor da Marquês de Sapucaí. A obra conta a história de amor do compositor de sambas Orfeu (Toni Garrido), líder da comunidade no Morro da Carioca, e Eurídice (Patrícia França), uma jovem que acabara de chegar à cidade grande em pleno Carnaval. A paixão vivida pelos dois dá margem a ciúmes e violência de pessoas próximas, fazendo com que o casal decida fugir logo após o desfile da Escola de Samba Unidos da Carioca. Uma fatalidade, no entanto, muda seus destinos.
Segunda, dia 24/02, às 19h e terça, dia 25/02, às 11h30.

6º Dia: Ó, Linda! (2009) (21’), assinado por Isaac Chueke, tem como foco a folia em Olinda (PE), animada ao som de frevo, maracatu e outros gêneros nordestinos. André Weller é o responsável por No Balanço de Kelly (2010) (20’), que faz um passeio pela carreira do pianista João Roberto Kelly, um dos pioneiros do sambalanço e compositor de famosas marchinhas carnavalescas. Dirigido por André Salles, Carnaval do Passado (2005) (26’) segue o mesmo ritmo traçando um curioso panorama sobre as músicas que embalaram os anos 1950 e 60. Por fim, G.R.E.S. – Concentração (1997) (43’), de Marcelo Maia e Luiz Guimarães de Castro, registra os momentos anteriores ao desfile das Escolas de Samba do Rio de Janeiro em 1996. O documentário narrado por Hugo Carvana acompanha, capta e se movimenta exclusivamente em torno da concentração na Marquês de Sapucaí – espaço real e imaginário onde tudo acontece.
Terça, dia 25/02, às 19h e quarta, dia 26/02, às 11h30.

7º Dia: O documentário As Batidas do Samba (2011) (84’), de Bebeto Abrantes, propõe uma reflexão sobre a evolução histórica do ritmo sob o ponto de vista da própria música em si, abordando as transformações sofridas a partir da introdução de novos instrumentos e do uso de diferentes levadas. Destaca, ainda, as mudanças no comportamento dos artistas, relacionando as composições aos papéis sociais de cada época.
A produção explica, por exemplo, a gama de fatores histórico-sociais responsáveis por fazer com que o jongo tocado nos quilombos se transformasse no que conhecemos hoje: uma cadência múltipla, abraçando desde o próprio samba, passando pelo pagode e pela bossa, até o samba-jazz. O longa conta com depoimentos de Wilson das Neves, Monarco, Paulão 7 Cordas e Moacyr Luz.
Quarta, dia 26/02, às 19h e quinta, dia 27/02, às 11h30.

8º Dia: A tradicional escola fundada por Cartola ganha as telas com o curta Mangueira Documental – Parte 1 (2000) (26’), de Marco Altberg. A produção apresenta os ilustres personagens da agremiação – como Dona Zica, Cartola, Carlos Cachaça e Ivo Meireles –, acompanhando o trabalho da comunidade no barracão, a concentração dos foliões e a expectativa durante a apuração do desfile. Na sequência, o público confere os bastidores da passagem da verde-e-rosa carioca pela Marquês de Sapucaí no Carnaval de 1997 em Mangueira Documental – Parte 2 (2000) (28’), do mesmo diretor.
Também assinado por Marco Altberg, Jamelão – 90 Anos (2005) (50’) traça um perfil do eterno intérprete dos sambas mangueirenses, com entrevistas de Chico Buarque, Leci Brandão, Elza Soares e Nelson Sargento. O filme conta ainda com depoimentos do próprio compositor, morto em 2008.
Quinta, dia 27/02, às 19h e sexta, dia 28/02, às 11h30.
A Programação Especial de Carnaval segue na Faixa Musical:

Banda Seu Chico – Tem Mais Samba (2010) (79’)
Sábado, dia 15/02, às 17h e quinta, dia 20/02, às 15h.

Sambabook – João Nogueira (2012) (92’)
Domingo, dia 16/02, às 17h e sexta, dia 21/02, às 15h.

Mariene de Castro – Ser de Luz (2013) (74’)
Sábado, dia 22/02, às 17h e quinta, dia 27/02, às 15h.

Samba Book – Martinho da Vila (2013) (103’)
Domingo, dia 23/02, às 17h e sexta, dia 28/02, às 15h.

Spok Frevo Orquestra – Passo de Anjo ao Vivo (2007) (61’)
Sábado, dia 01/03, às 17h e quinta, dia 06/03, às 14h30.

Margareth Menezes – Voz Talismã (2013) (89’)
Domingo, dia 02/03, às 17h e sexta, dia 07/03, às 14h30.

 

Fonte: Canal Brasil

Músicas de Adoniran e muita poesia estão na 10ª edição do “Sampoema”

Divulgacao_Caco_Pontes_Foto_Manoela_CardosoCaco Pontes (por Manoela Cardoso / divulgação)

A Casa das Rosas entra em clima de festa para comemorar o aniversário da cidade de São Paulo. No sábado, 25 de janeiro, o espaço recebe a 10ª edição do Sampoemas, evento que conta com contação de histórias, músicas de Adoniran Barbosa, show performático e muito mais. As atrações começam às 14h e se estendem até as 20h. A entrada é Catraca Livre.

Quem gosta de boa música pode acompanhar o “Jabá Sintético” que rola às 16h. O Conjunto João Rubinato apresenta uma seleção de canções pouco conhecidas do compositor paulista, temperadas com histórias pitorescas e de Adoniran.

Às 18h, Caco Pontes & Loop apresentam um show performático em homenagem a Roberto Piva. Para encerrar, ocorre um sarau de poesias, às 20h.

Confira abaixo a programação completa:

14h: Contação de história “São Paulo, minha cidade” – Com Marina Bastos

16h: Jabá Sintético: as músicas de Adoniran que a rádio não toca – Com Conjunto João Rubinato

18h: Show performático – Homenagem a Roberto Piva – Caco Pontes & Loop B

20h: Sarau Sampoemas – Com Frederico Barbosa

 

Fonte: Catraca Livre

A Química do Mal: título em português de Breaking Bad vira piada na internet

1497360_10202864087673013_980988216_n(Imagem: Reprodução)

Tudo parecia correr bem no mundo das traduções de títulos de séries de TV, certo? Sim, já que, no Brasil, a maioria dos sucessos americanos não ganham nomes em português. Lost continuou sendo chamada de Lost. Revenge seguiu assim, em inglês mesmo. Friends? Igualzinho. Ninguém reclamou da versão ao pé da letra para 24 Horas (porque aí seria implicância).

Eis que, para a tristeza dos fãs de Breaking Bad, uma das séries mais cultuadas dos últimos anos ganhou um subtítulo um tanto polêmico quando de sua estreia na TV Record, na terça (14): A Química do Mal. Pois é.

O personagem principal da trama é um químico, Walter White, que começa a produzir metanfetamina e… vira malvado. Enfim. Vocês entenderam de onde veio a tradução.

A internet não deixou barato e, além de muita insatisfação com a dublagem do drama, as brincadeiras com o título abundaram.

Na quarta (14), foi criado até um tumblr com outras traduções que não gostaríamos de ver na TV.  Confira algumas:

trad1

trad2

trad3

trad4

trad5

trad6

 

Fonte: Blog POP! POP! POP! (Veja SP)

Crônica de Ano Novo │ Luís Fernando Veríssimo

Champagne(Imagem: iStock)

” Ano Novo

Existem muitas superstições sobre a melhor maneira de entrar o Ano-Novo. Na nossa casa, por exemplo, nunca falta um prato de lentilha para ser consumido nos primeiros minutos do ano que começa. Dá sorte. Ouvi dizer que na Espanha, ao soar da meia-noite, deve-se comer uma uva para cada badalada do relógio. Este costume chegou à Bulgária mas, por uma falha na tradução, lá se come um melão para cada batida do relógio, e os hospitais ficam cheios do dia 1º. Na Suíça, comem o relógio.

Algumas crenças persistem através do tempo, desafiando toda lógica. Se o champanhe aberto à meia-noite não estourar e se tiver alguém na família chamado Edgar, é sinal de que a casa será arrasada por uma manada de elefantes e o champanhe está choco. Na Rússia, depois de brindarem o Ano-Novo com vodca, os convidados devem atirar suas taças contra a parede e depois ficar muito brabos porque não há mais copos na casa e atirar o anfitrião contra a parede. De qualquer maneira, a festa termina cedo.

Na Índiam se a primeira criança que nascer no Ano-Novo tiver bigode, fumar de piteira e pedir para falar urgentemente com o Kofi Anan, é mau sinal. Na Polinésia, em certas tribos primitivas, o guerreiro mais audaz deve levar a virgem mais bonita até a boca do vulcão e atirá-la para a morte, como um sacrifício aos deuses. Mas a encosta do vulcão é comprida, os dois param para descansar um pouco e, quando chegam à boca do vulcão, estabelece-se o paradoxo: se o guerreiro era audaz, a moça não é mais virgem, se a moça ainda é virgem, o guerreiro não era audaz, e o sacrifício sempre fica para o ano que vem. Na Austrália, todos se atiram contra a parede.

Entrar o Ano-Novo de gravata-borboleta pode comprometer seriamente as relações entre o Oriente e o Ocidente. O primeiro animal que você encontrar na rua no Ano-Novo pode significar uma coisa. Cachorro é sorte. Gato é dinheiro. Rato é saúde. Um bando de hienas é azar, corra. Um cavalo roxo dançando o xaxado na calçada significa que você está bêbado. Vá dormir.

Em certos lugares, é costume derramar champanhe no decote da mulher ao seu lado, o que lhe trará, a longo prazo, bons negócios, e, a curto prazo, um tapa-olho. Se você estiver num réveillon junto com seu patrão, não esqueça de se colocar estrategicamente para ser o primeiro a abraçá-lo à meia-noite. Dance com a mulher dele. Insista para que ele dance com a sua. Proponha vários brindes. Pule em cima da mesa. Proponha mais brindes. Diga que agora você é quem vai dançar com o patrão e não quer nem saber. Acabe lhe dizendo algumas verdades. Proteste que ninguém precisa segurar você, você está sóbrio, entende? Sóbrio! Só não sabe como uma manada de elefantes roxos invadiu o salão, ou será que a mulher do patrão trouxe a família toda? No dia 1º você não se lembrará de nada. No dia 2, você vai procurar outro emprego. Chato.

Outro costume é fazer previsões na véspera do Ano-Novo. Pode chover. Alguém, em algum lugar do Brasil, está dizendo: “Boas-entradas nada, eu quero saber onde fica a saída…” E a previsão mais fácil de todas…

– Qual é?

– Amanhã eu vou estar de ressaca!

Enfim, o Ano-Novo já está quase aí e, apesar de muita gente em São Paulo telefonar para os parentes no Japão, onde o 2014* chegará mais cedo, querendo saber que tal o ano, como quem pergunta como é que está a água, ninguém sabe como ele será. Farei o possível para entrar nele com o pé direito, mas, quando perceber, ele é que terá entrado em mim, não dará para recuar.

Só sei uma coisa. Assim que o relógio terminar de bater a meia-noite, comerei meu prato de lentilha para dar sorte. Pedirei outro. E derramarei lentilha no colo, destruindo para sempre A) um bom par de calças e B) minha fé em qualquer tipo de superstição. ”

 

Luis Fernando Veríssimo

 

* No texto original, o autor refere-se ao ano de 2009 (data da publicação)

 

☆ ☆

O site TRADUÇÕES JURÍDICAS deseja a todos os seus leitores boas festas e um excelente ano novo.

FELIZ 2014 !

Four-part ‘Rosemary’s Baby’ miniseries is coming to NBC

Rosemarys-baby-Poster638_large_verge_medium_landscape

The classic 1967 Ira Levin novel Rosemary’s Baby has already made it to the screen once — Roman Polanski’s 1968 film of the same name is considered a genre-defying horror film (its poster is pictured above). Now, the tale is getting an update for modern times in a somewhat unlikely fashion. As reported by Deadline, NBC has officially greenlit a four-part Rosemary’s Baby miniseries to be directed by Oscar- and Emmy-award winner Agnieszka Holland. It won’t be a straight retelling — the plot has apparently been updated and the location has been moved to Paris — but it sounds like it’ll be largely faithful to the psychological horror roots of both the film and the movie.

NBC might seem like an unlikely destination for such a miniseries, but it’s part of a big push from the network to be a part of the scripted drama boom that’s been taking over TV for several years now. A few months ago, NBC announced it was developing Rosemary’s Baby and a number of other miniseries as part of a push for more longform content — presumably to cater to audiences hungry for quality dramatic storytelling they may feel that they’re not getting in movie theaters. It’s a strategy that’s not unique to NBC. Other networks are also getting into longform TV content, and the miniseries appears to be making a comeback — take Fox’s revival of 24 as a 12-part series. While Rosemary’s Baby now has the official greenlight and a director, there’s no word who will star in it, nor when it’ll hit your TV.

 

Source: The Verge